quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Titular da SME recebe comissão dos aprovados no concurso público

Titular da SME recebe comissão dos aprovados no concurso público

Atualizado em 18/01/2017 14:38
Reunião possibilitou abertura de diálogo e atualização dos procedimentos prévios à convocação

Promover a qualificação do quadro de pessoal da Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) é uma das prioridades da atual gestão da Prefeitura de Goiânia. A nomeação de servidores efetivos está entre as iniciativas para viabilizar esse objetivo. Pensando nisso é que o secretário de Educação e Esporte de Goiânia, Marcelo Costa, esteve no Paço Municipal, no Park Louzandes, na manhã desta quarta-feira, dia 18, para tratar questões necessárias ao planejamento para as convocações dos aprovados no último concurso e, a pedido do prefeito Iris Rezende, atendeu representantes dos candidatos aprovados na seleção regida pelo Edital 01/2016.

O encontro possibilitou esclarecimentos e ponderações diretamente aos aprovados. Marcelo Costa informou que convocação está em processo, e que, no momento, depende de procedimentos que são prévios ao chamamento como a avaliação de impacto financeiro, levantamento de vagas existentes na rede municipal de educação e verificação da estrutura e funcionamento administrativo da SME como um todo. O secretário lembrou que está no início de sua gestão e que é necessário conhecer a engrenagem da pasta, que possui cerca de 360 unidades na Capital. Um novo encontro foi marcado para o dia 10 de fevereiro.

Renovação de contratos
Sobre os contratos temporários, o secretário informou que são procedimentos distintos e que a renovação não impede ou interfere nos trâmites para a convocação dos aprovados. Costa enfatizou que a medida visa garantir o início do ano letivo - que ocorre na próxima segunda-feira, 23 - com a permanência dos profissionais que já estavam contratados e não completaram dois anos consecutivos no cargo. A Portaria 03/2017, que retífica a cláusula relativa ao prazo de vigência dos contratos, foi publicada no Diário Oficial desta terça-feira, 17.

Roseneide Ramalho, da editoria de Educação e Esporte - Secretaria Municipal de Comunicação (Secom)
Crédito das Fotos: Paulo José

Fonte: http://www4.goiania.go.gov.br/portal/pagina/?pagina=noticias&s=1&tt=not&cd=11781&fn=true

Educação para a Paz - Relações Interpessoais na Escola

Educação para a Paz - Relações Interpessoais na Escola

Por: Simone Da Rosa Pizzio
Resumo: Este artigo apresenta informações para a área educacional sobre os relacionamentos interpessoais que observamos dentro das escolas parceiras, levando em consideração que estamos formando cidadãos. Crianças, adolescentes e adultos que precisam de bons exemplos a se espelhar, bem como serem vistos como seres humanos que têm desejos e necessidades quanto aos seus sentimentos e desenvolvimento pessoal. Sendo que, os profissionais que trabalham nas escolas também têm estas necessidades e a obrigação de dar bons exemplos.
Abstract: School for peace.
Palavras-chave: Educação; Paz; Valores; Relações Interpessoais.
1. Introdução
O objetivo deste documento é mostrar a importância do trabalho sobre valores dentro das escolas para qua possamos propagar a Paz. Isto só é possível através de atividades que envolvam toda a escola e também a comunidade escolar. A escolha deste tema foi feita por acreditar que a Educação para a Paz é de fundamental importância na formação de professores, pois no dia a dia da sala de aula, muitas vezes entramos em conflito com nossos alunos que dizem "não quero fazer, não vou fazer". Outros não respeitam os colegas, o que desencadeia os casos de bulliyng em sala de aula e na escola tornando as agressões frequentes. Sem levar em conta que isso tudo tem cunho social e familiar, tendo influência direta sobre estas ações.
Além disso, nossas escolas parceiras utilizam como teórico norteador Paulo Freire, mas não oferecem atividades que interligam escola e realidade. Os livros continuam sendo as únicas fontes para o preparo de aulas desvinculadas dos interesses dos alunos... Há pouco sendo feito contra estes problemas. Nas escolas parceiras há muitos problemas devido à falta de harmonia entre os alunos. Eles se ofendem o tempo inteiro, sendo necessário um trabalho para tentar amenizar estas questões. Infelizmente, este trabalho ainda não existe sistematicamente, apenas eventualmente.
Em sala de aula, os professores fazem as intervenções que estão ao seu alcance e contando com o auxílio da equipe diretiva quando as coisas tomam grandes dimensões. Diante disso, há apenas um enfoque no que se pode chamar de "apagar incêndios", ou seja, depois que eles se agridem, são chamados, é conversado. Na reincidência, chamam os pais e, em casos mais graves, o Conselho Tutelar.
Para agravar a situação, muitos professores não procuram resolver os problemas de forma harmônica. Há muita falta de tolerância por parte deles o que faz com que os alunos não tenham prazer nem motivos para virem à escola, pois "para que virem até um lugar onde não são acolhidos?”.
Há a necessidade de se buscar a estruturação de um trabalho paralelo, consistente e constante, dando ao aluno segurança e confiança no espaço escolar, através de trabalhos que os envolva como gincanas, projetos pedagógicos, diálogo sobre valores, drogas, violência,... As direções das escolas devem ter como princípio que os alunos participem de todos os projetos que chegam à escola, atingindo também as famílias, trazendo-as até a escola, assim feito em minha escola parceira.
Este é um grande desafio, pois se os professores continuarem tendo pouca tolerância com os alunos, visando apenas o conteúdo e pouco se comunicando com eles, nada avançaremos em prol da paz. Acredita-se que, tanto os pequenos quanto os maiores, necessitam de atenção e acolhimento. Quando há este distanciamento, todo o processo de ensino-aprendizagem e de convívio social fica comprometido. Os demais funcionários da escola tentam intervir através do diálogo, mas há pouco respeito com eles. Assim se pode ver que há boa vontade em intervir em prol de uma Educação para a Paz, mas não tem surtido muito efeito. Por este motivo, não podemos desistir buscando trazer a família - através de projetos - até a escola.
Pretende-se com as atividades deste trabalho, conhecer um pouco mais do dia a dia dos alunos e trabalhar valores como responsabilidade, cuidado, convivência, respeito, amor e amizade e desenvolver a criatividade.
Diante das referências estudadas e da realidade que presenciamos em nossa parceria, é de infinita importância e também fundamental trabalhar paralelamente a outros subtemas, as RELAÇÕES INTERPESSOAIS NA ESCOLA, buscando um convívio mais humano, trazendo prazer ao aluno que frequenta às aulas, resgatando o respeito e o comprometimento entre professor e aluno por serem fundamentais para a propagação de uma cultura de paz!
2. Paz... O que é?
Para entender a dimensão e importância da cultura da paz nas escolas e, em extensão, nas comunidades, devemos ter conhecimento claro do que ela significa:
“Para continuarmos vivos, precisamos de certas coisas. Comida, água, moradia, roupas que nos protejam, ajuda quando estamos doentes ou machucados... Paz é ter as coisas de que se precisa.” (Livro Tempos de Paz, Ed. Global, 1999. Katherine Scholes e Robert Ingpen).
Figura 1. “Paz é ter o que precisamos para viver.” Simone Pizzio
Tendo este pensamento, professores, pais, funcionários e alunos devem focar suas energias na construção de pilares consistentes nos valores morais dentro das escolas e das comunidades em que estão inseridos. Os adultos são modelos para as crianças e adolescentes. Adultos conscientes formam cidadãos conscientes, íntegros e éticos.
O homem muito tem corrido atrás da Paz, esquecendo-se que ela muitas vezes está dentro de si mesmo. Uma comunidade egocêntrica que não leva em consideração o que ocorre fora dela jamais proliferá a paz. Faz-se necessário que sejamos mais humanos para que consigamos atingir os outros. De nada adianta discursos, documentos e leis. A paz se constrói no dia-a-dia entre as pessoas com quem se convive.
3. Atividades realizadas durante o estudo e construção do artigo
Durante a elaboração deste estudo, foram postas em práticas algumas atividades em prol do resgate e da construção dos valores morais nas escolas parceiras, tendo como resultado singelo uma boa convivência – PAZ - nas comunidades escolares em foco:
a) Conhecimento e divulgação dos projetos sociais que as escolas desenvolvem;
b) Conversa com os professores de educação infantil a séries finais para conhecer quais as estratégias que são utilizadas para a construção dos valores morais;
c) Identificação das concepções teóricas nas quais os professores embasam suas práticas pedagógicas, identificando a construção dos conceitos e das práticas dos valores morais nas atividades diárias dos educandos;
d) Conhecendo os motivos dos desentendimentos entre alunos-alunos e/ou alunos-professores e demais relações que ocorrem na escola;
e) Investigando as intervenções feitas quando estes desentendimentos acontecem;
f) Propondo atividades de integração entre todos os segmentos tendo como finalidade auxiliar na construção destes valores e na construção da paz.
4. A procura da Paz
A Paz procura espaço na sociedade de hoje, mas muitas vezes só encontra egoísmo e desencontros. As pessoas não valorizam a paz enquanto a têm. Reclamam muito e pouco dão valor ao sentido real da paz que se espelha no suprimento de nossas necessidades, na oportunidade de estudar, de respirar, de estar vivo...
Geralmente se reclama muito e pouco se reconhece no dia-a-dia. Como se não bastasse, ainda existe o consumismo que leva as pessoas a comprar e até roubar, mesmo sem necessidade:
“Em sua forma mais pura a paz é silêncio interno preenchido com o poder da verdade. Paz é a característica proeminente do que nós chamamos de “uma sociedade civilizada”, e o caráter de uma sociedade pode ser visto através da consciência coletiva de seus membros. (UEMBK – Manual de Valores Maria Radespiel, 2009)”.
“A paz consiste em pensamentos puros, sentimentos puros, desejos puros.” (UEMBK – Manual de Valores Maria Radespiel, 2009)
Paz é quando conseguimos encontrar o ponto de equilíbrio entre o pensamento, a palavra e a ação sendo o primeiro grande princípio da construção da paz a não-violência e os princípios morais.
Nos dias atuais, as pessoas clamam por paz, mas a grande maioria não a cultiva no dia-a-dia. Há uma grande guerra de poder entre os homens de todas as classes sociais que culminam com discussões inúteis, às vezes até mesmo sem propósito.
Segundo Katherini Scholes e Robert Ingpen:
"Pode haver discussões,... ou até mesmo brigas... Até um dos dois lados ganhar. Até conseguir o que quer ou precisa e o outro desistir... Mas pode acontecer algo completamente diferente. Um outro tipo de discussão em que ambos os lados explicam o que querem ou precisam e por que razão... Em que um escuta o que o outro tem a dizer. Em que trabalham juntos na solução do problema, de modo que ambos os lados possam ter aquilo que querem ou precisam - pelo menos em parte..." (Livro Tempos de Paz, Ed. Global, 1999).
Muitas vezes as pessoas aniquilam com sua paz interior por levar fatos para o lado pessoal. Não raras as vezes que as pessoas discordam. Mas, por falta de discernimento, acabam brigando enquanto o problema acaba ficando sem solução e se cria um novo problema que mina as relações interpessoais. Neste sentido, se vê a importância de trabalhar a questão do respeito mútuo, a capacidade de levar em consideração o que o outro tem a dizer e ponderar as opiniões para se chegar a uma solução coerente sem resquícios pessoais. A moral não deve ser abalada por uma perda em discussões para ver quem tem mais razão.
5. Educação para a paz e valores morais
Valores morais e paz andam juntos em todos os sentidos. Cada ser humano tem sua própria história e a cada dia constrói uma nova página. Por este motivo, torna-se perfeitamente acessível o poder se remodelar com novas atitudes, mais coerentes e menos egocêntricas. Todo o ser humano é passível de se reeducar e educar os demais para a construção de um mundo melhor.
“Educar para a Paz consiste em transformar valores da Cultura de Paz em realidade na vida cotidiana”. (Marlova Noleto, 2001)
“Mais do que ensinar a educação para a paz consiste em transformar o ser humano em homem de verdade com princípios e valores humanitários e não egocêntricos.” (Simone Pizzio, 2009)
Para se contribuir para uma cultura de paz devemos seguir bons valores: amizade, zelo, amor, disciplina, respeito, tolerância, responsabilidade, justiça, diálogo... Com estes princípios, o Manifesto 2000 por uma Cultura de Paz e Não-violência, foi esboçado e milhões de pessoas de todo o mundo assinaram-no comprometendo-se em cumprir seis itens primordiais, propagando a Cultura de Paz em suas famílias, trabalho, cidades, tornando-se “mensageiros da tolerância, da solidariedade e do diálogo”.
“MANIFESTO 2000”
  • RESPEITAR A VIDA
  • REJEITAR A VIOLÊNCIA
  • SER GENEROSO
  • OUVIR PARA COMPREENDER
  • PRESERVAR O PLANETA
  • REDESCOBRIR A SOLIDARIEDADE”.
(Roizman, 2002)
5.1. Valores Morais:
“Conjunto de procedimentos que facilitam a comunicação e as linguagens, estabelecendo laços sólidos nas relações humanas”. (Celso Antunes, 6ª Ed., Ed. Vozes, 2009).
Através das suas relações com o outro é que o homem realmente vive. A qualidade desta relação dependerá dos princípios morais que cada um dos envolvidos tiver construído durante o decorrer de sua vida. Por este motivo a escola é essencialmente importante juntamente s famílias destes indivíduos.
Quando a família falha resta a esperança na escola. Uma escola firme em seus propósitos quanto formadora de cidadãos conscientes de quem são e como devem agir, é indispensável dentro da sociedade.
6. Educação para a Paz: Relações Interpessoais na Escola
Para vivermos bem com as pessoas precisamos saber como comunicar claramente nossos pensamentos e objetivos, dando espaço para a interação e troca de saberes. O tema "Educação para a Paz: Relação professor-aluno e as relações interpessoais" têm grande importância no espaço escolar. Geralmente é na pré-escola que a criança realmente inicia sua socialização com seus colegas, professores, funcionários e o espaço escolar, onde se criam novos vínculos:
"O vínculo é sempre um vínculo social, mesmo sendo com uma só pessoa; através da relação com essa pessoa repete-se uma história de vínculos determinados em um tempo e em espaços determinados." (Teoria do vínculo - Pichon-Rivière, Enrique, 1907-1977; tradução Eliane Toscano Zamikhouwsky - p. 31).
A partir deste contato, há várias possibilidades de construirmos com eles regras a serem seguidas, discutidas e respeitadas igualmente por todos. Neste momento, podemos ver que se distinguem lideranças e desejos das crianças. Infelizmente, para uma criança que tem pouco contato com regras na família, torna-se difícil a adequação e aí surgem conflitos em sala de aula. Por este motivo, quanto mais cedo expormos as crianças às regras, mais possibilidades de termos um aluno participativo, humano e com autocontrole criamos. Referente às regras, podemos citar o esperar a vez de falar, saber compartilhar, pedir ao invés de pegar, autocontrole entendo as razões e reações do outro:
“Essas revelações não devem jamais ser apresentadas como uma exposição ou como regras incompreendidas que devem ser assumidas para satisfazer o adulto; mas podem ser descobertas através do jogo, numa compreensão que pouco a pouco se construirá." (Relações Interpessoais e autoestima - Antunes, Celso - p. 22).
Tanto para as crianças quanto para os adultos, o jogo é de fundamental importância para compreensão e assimilação das regras de convivência. Outro fator essencial é a família. Ela é o princípio de tudo para a criança. É nela que se desenvolvem os primeiros sentimentos que nortearam nossa existência. Fraternidade, entusiasmo, alegrias, tristezas, seguranças e inseguranças. Tudo isso permeia o relacionamento familiar que refletirá no contexto escolar:
"Onde quer que os pais ou figuras afetivas importantes para as crianças estejam certamente carregarão consigo, em seus corações e suas mentes, essas mesmas crianças. O contrário também é correto afirmarmos: onde quer que nossas crianças estejam, levam consigo a marca que nós, adultos significativos em sua formação, deixamos em suas vidas. Assim são as famílias na vida de cada um de nós, “pequenos ou grandes”: marcam-nos, nos formam nos acompanham, nos ajudam a ser, a escolher..." (LACAN, 1981).
Quando temos uma turma que não se respeita entre seus componentes, onde há a competição de uma forma extrema e os pais estão totalmente ausentes à percepção destes fatos, cabe ao professor procurar entender seus alunos, verificando sua história de vida, e, de forma criativa levar os alunos a outro foco que não seja seu colega, mas os objetos de estudo.
Figura 2 – “Paz significa diferentes coisas para diferentes pessoas, em diferentes lugares e em diferentes épocas de suas vidas”. Livro “Tempos de Paz”, Ed. Global, 1999.
Sabemos também que, para atuarmos bem dentro da sala de aula, é necessário que estejamos em paz e harmonia com nosso grupo de trabalho. Tanto com os alunos quanto com nossos colegas. Sabemos ainda que seja uma tarefa difícil, mas precisamos ter harmonia nas relações. Nas relações há sempre três lados: o meu o do outro e o que está certo. Cabe a nós sabermos administrar quando estamos de um lado ou de outro. Neste contexto, as palavras e suas tonalidades de uso exercem um papel fortíssimo que influenciam as reações do outro.
As relações dos homens se dão através das redes ou pontes que nos ligam aos corações e pensamentos do outro. Assim, temos o poder de tornar nossas relações positivas com resultados promissores ou não. Dentro deste novo contexto, as ideias não devem se perder, mas se engajarem umas às outras dando uma dimensão única em prol de um objetivo conjunto.
Figura 3 – “Somente através da união de nossas forças é que poderemos realmente construir a Paz.” Simone Pizzio.
Na escola, todos os seus integrantes devem ter como objetivos principais o conhecimento e a construção de valores consistentes para a vida. Não podemos nos deter apenas na transmissão de conteúdos. O aluno que está a nossa frente, depende de nós para desenvolver-se de forma integral, tanto intelectual como socialmente. Para ele, a relação que estabelecermos entre professor-aluno será de grande importância neste processo. Precisamos ter em mente que somos adultos e nosso aluno ainda está em processo de aquisição de conhecimentos e de formação da sua personalidade. Por isso, temos de "tentar" saber como "tocá-lo", sensibilizando-o para a construção de valores construtivos.
7. REFERENCIAIS:
PICHON-RIVIÈRE, ENRIQUE, Teoria do vínculo_1907-1977, tradução Eliane Toscano Zamikhouwsky.
RADESPIEL, MARIA, UEMBK_MANUAL de Valores Maria Radespiel, 2009.
ANTUNES, CELSO, Relações Interpessoais e autoestima, 6ª Ed., Ed. Vozes, 2009.
SCHOLES KATHERINI E INGPEN ROBERT, Tempos de Paz, Ed. Global, 1999.
ROIZMAN, Manifesto 2000, 2002.
Fonte: http://meuartigo.brasilescola.uol.com.br/administracao/educacao-para-paz-relacoes-interpessoais-escola.htm

EDUCAÇÃO PARA A PAZ NUM CONTEXTO HIPERMODERNO

EDUCAÇÃO PARA A PAZ NUM CONTEXTO HIPERMODERNO

Marco Antonio Gonçalves - UCS1 (1 Mestrando no PPGFil – Ênfase em Ética)

Resumo: No desejo de contribuir com o debate atual em relação ao compromisso, à organização e à atuação dos educadores – no esboço de uma nova concretização da cidadania e de uma cultura de paz -, as reflexões que se seguem são fruto de convicções e especulações teóricas, de aulas lecionadas, discussões realizadas com organizações, educandos e educadores, promovendo e escrevendo sobre temas de direitos humanos e paz. Diante do panorama hipermoderno no qual estamos inseridos, marcado por angústias, dilemas e paradoxos, refletir sobre as influências das marcas da hipermodernidade atual torna-se um desafio de reflexão filosófica para todos aqueles que pretendem fazer uma leitura crítica-interpretativa desta realidade. Pretende-se contribuir na busca de um sentido e rumo para uma ação educadora que se pretende atingir na reflexão e transformação do que deva e possa ser diferente. A inclusão do tema paz e educação para a paz devem reestruturar as vivências escolares, trazendo novas possibilidades, irradiando e polarizando ações de paz e não violência coletiva, comunitária e intersubjetivamente. A escola deve ser potenciadora do protagonismo infanto-juvenil para romper o ciclo de violência e para reduzir ou evitar conflitos; construir e consolidar espaços concretos para que se concretizem os direitos humanos, a cidadania e a paz, num processo de mudança de uma cultura de violência para uma cultura de paz, num diálogo permanente com toda a comunidade escolar. Só em torno de um processo dialógico e propositivo, que permeia a educação, numa reflexão séria, criativa e engajada, será possível articular as diferenças e avançar no diálogo e na construção da paz.
Palavras-chave: educação; hipermodernidade; paz; cultura; cidadania.

Introdução
O século XX e também a primeira década do século XXI, apesar de ser um período brilhante e criativo da história da humanidade, é permeado de situações das quais não devemos nos orgulhar: momentos trágicos e cruéis, marcados por guerras, genocídios, fanatismo terrorista, fome, doenças e desastres ambientais. O imenso avanço tecnológico e científico trouxe, sem dúvida, muitos aspectos positivos para a humanidade com o desenvolvimento nas áreas da comunicação, saúde e transportes. Trouxe, ao mesmo tempo, problemas extremamente graves: o próprio ser humano parece ter perdido o sentido profundo da vida e do desenvolvimento, até o ponto de pôr em risco a própria sobrevivência da vida humana, ou ameaçar a possibilidade de vida para as gerações futuras. Época duríssima, de contradições e paradoxos, ambiguidades e angústias. Podemos questionarmos se o uso de nossa capacidade tecnológica não está contribuindo para a coisificação do home e a humanização das coisas: enquanto, por um lado, nosso tempo parece valorizar a pessoa, por outro, a reduz a mercadoria descartável, a aquisição de bens materiais e o lucro parecem tornar-se mais importantes do que dignidade e solidariedade. Isso tudo que impregna a contemporaneidade precisa ser compreendido, clara e honestamente, a fim de avaliarmos e enfrentarmos as forças que nos fazem ser o que somos e buscar alternativas para ser o que desejaríamos e precisaríamos ser. A situação que vivemos provoca uma gama de reações, todas interligadas: sentimentos de insegurança, autoconfinamento, insensibilidade, apatia, alienação. Sabemos e sentimos que a violência amedronta. Uma das formas de defesa contra ela é, com a construção, por parte do indivíduo, de uma ilusão da não-existência da violência, criando, assim, uma defesa psicológica que lhe permite um espaço de tranquilidade. Somos movidos, ao mesmo tempo, pelo desejo de mudança, de aventura e crescimento, de sensibilidade e empatia, de auto-afirmação e autopreservação, autotransformação e transformação desta realidade com um desejo consciente de luta pela mudança do mundo particular (meu mundo), transformando-o em nosso mundo, ou seja, um movimento subjetivo e dialético de vir-a-ser que nos desafia constantemente. A insegurança permeou e permeia nossa existência cotidiana: muitos não se sentem seguros em casa, na rua ou no trabalho, no carro, ônibus ou avião, na igreja ou no supermercado. Parece que, além da crise e do seu conhecimento geral, existe um sentimento de desesperança. Neste sentido, há um grande e crescente número de pessoas, inclusive no meio acadêmico, com um discurso que garante a não-existência de alternativa para o sistema de mercado global, que produz estes desastres e impede o planejamento e uma práxis social que poderia lutar para revertê-los. Nossa preocupação e centro de reflexões sobre a possibilidade do futuro se voltam para o grande desafio e desejo da paz – entendida como um recíproco reconhecimento da dignidade, dos direitos e dos deveres. Ao definir a paz como a plena realização da dignidade humana, a criação de uma convivência harmônica fundamentada no trabalho, na liberdade e na justiça, sabe-se que esse raciocínio está inserido num determinado momento histórico e intelectual dos autores que refletem e atuam sobre esta problemática, ou seja, suas obras ou artigos assumem os riscos de equívocos, superficialidades e incompreensões. A atuação e as grandes preocupações sobre a temática da paz estavam voltadas, no início da década 80 do século XX, à questão armamentista; entretanto, hoje se percebe uma maior amplidão do conceito de paz em suas múltiplas dimensões, conectando profundamente 3 as questões do militarismo, do desenvolvimento e do subdesenvolvimento econômico, da degradação ambiental e da violação aos direitos humanos. Nos últimos anos, a violência tem sido experimentada também como um problema educacional por sua emergência dentro da própria comunidade escolar, tornando-se um caminho de pesquisa e estudo de vários autores e uma pauta obrigatória da agenda educacional tanto na esfera pública quanto na privada. As questões relativas à violência no meio escolar abrangem um vasto complexo de causas e variáveis, exigindo uma reflexão sistemática e um estudo desprendido do viés emocional que geralmente acompanha o debate sobre o tema. Contudo, não basta reagir a esta violência ou à cultura de violência. É preciso pensar como construir uma sociedade verdadeiramente pacifista e uma cultura de paz.
Paz: mais do que um conceito, um valor humano
A paz é a soma de valores, atitudes e comportamentos que refletem o respeito à vida, à dignidade e aos direitos da pessoa. Não é a ausência do conflito, mas é a procura de resoluções, por meio do diálogo e do trabalho integrado. Constrói-se a paz com os valores e as atitudes preconizados na Declaração Universal dos Direitos Humanos: justiça social, igualdade de direitos, eliminação de preconceitos, respeito a minorias, educação universal, equilíbrio ecológico, liberdade política. A paz, sem direitos humanos, nada é. A sociedade está em paz não só quando a guerra está ausente, mas também quando existe a possibilidade de realização, para todos os seus integrantes, de valores como a vida, a liberdade, a justiça, a solidariedade, etc. Abbagnano (2007, p. 870) afirma que, no fim do século XX, o conceito de paz deseja sintetizar: “o conceito grego de eirene como ausência de guerra; o romano, de pax como bem-estar material; o judaico, de shalom como bem-estar espiritual; e o cristão, de amor como não violência.” Contudo, Guimarães (2011), ao trabalhar com o conceito de paz alerta-nos que devemos superar o conceito ocidental de paz como ausência de algo ou como um espaço entre duas guerras, pode esconder a justificação de violação dos direitos humanos, a pobreza e a miséria, mas reforçarmos o aspecto positivo do conceito, associando-o a experiências humanas, tais como justiça e igualdade. A paz é, portanto, um conceito pluridimensional: paz interior, estar em paz consigo mesmo; paz social, estar em paz com os outros; paz ambiental, estar em paz com as demais espécies e com a natureza em geral; paz militar, a ausência de confronto armado. Podemos perceber as violações ou ausência de paz nessa pluridimensionalidade quando: consigo 4 mesmo, percebemos pessoas que não encontram sentido para a vida, o ritmo imposto nas grandes metrópoles que gera stress, neuroses, frustrações e, algumas vezes, suicídio; com os outros com as tensões, guerras urbanas e disputas familiares, conflitos religiosos e colapsos econômicos, medos, injustiças, prepotências, violações dos direitos humanos, que rondam as sociedades contemporâneas; com o ambiente, diante da exploração irracional de nossas florestas, contaminação dos alimentos, maus tratos aos animais. Sinais de insegurança aparecem aos milhares. São tantos que, na maioria das vezes, não causam estranheza, passam despercebidos, nos acostumamos. Diante desta situação, algumas reações merecem ser destacadas e refletidas: a pessoa sente-se só, isola-se, o que é uma dimensão preocupante, pois esvazia possibilidades, empobrece o ser humano, faz com que a pessoa deixe, de antemão, de construir fatos, relacionamentos, expandir sua vida nos outros, de participar, vivenciar as manifestações artísticas, sociais, culturais e políticas, constrói, paradoxalmente, barreiras imaginárias e esquemas grupais e sociais para sentir-se protegido – grupos, guetos, bondes, tribos, ao mesmo tempo em que se revela o medo e a incapacidade de viver em ambientes abertos, sociais, livres. Podemos exemplificar isto com a oferta cada vez mais intensa de condomínios fechados com esquemas de segurança própria, sistema de alarmes sofisticados, etc. Um cuidado que devemos ter nesta análise é não esquecer que a paz não é uma construção individual ou isolada, mas possui uma compreensão mais coletiva e comunitária. Ela não nos é dada. É um processo em construção, a ser instaurado e construído socialmente, sendo todos nós sujeitos e criadores. Mas é importante entender, também, que violações da paz não se resumem apenas aos confrontos militares, que são as guerras, inclusive Guimarães relembra que “a paz se opõe, não à guerra, mas à violência, sendo a guerra uma das tantas – mas não única – expressões de violência”. (2011, p. 188). Na verdade, a paz não é apenas a inexistência de conflitos e divergências. A existência de diferenças e de conflitos e o encontro com o diferente é essencial para a continuidade da espécie humana, assim como em todas as espécies vivas. Mas é incrível como, em um curto tempo de existência humana no planeta Terra, o ser humano tornou sua existência permeada por atitudes de arrogância, inveja, prepotência, ganância e agressividade. O conflito, muitas vezes, é considerado com algo negativo e associado ao imaginário da violência. É fundamental desvincular conflito de violência, ampliar a compreensão destes conceitos. E também é importante analisar porque há esta associação. 5 Obviamente a agressividade é uma qualidade necessária à sobrevivência humana e pode ser positiva ou negativa. Se bem canalizada, pode produzir vida. Leva o indivíduo a vivenciar dilemas, pois nem sempre é fácil ter consciência da limitação que temos de entender certas situações e, a partir daí, possibilita ao ser humano a dimensão da escolha, a possibilidade real de optar por diferentes formas de agir: autoritária, pacífica, violenta, apática, omissa, passiva, ativa, etc., demonstrando a responsabilidade ética, característica do agir do ser humano. O não-controle da agressividade pode gerar violência. Os que se envolvem com a violência não aprenderam a controlar as suas emoções. A negação da agressividade mal trabalhada gera complexos que poderão ocasionar a violência brutal e crimes hediondos. Essas questões mal resolvidas podem gerar algumas patologias, tais como compulsões, desequilíbrios emocionais que, ao longo do tempo, vão se tornando neuroses podendo chegar a graus mais avançados, como o caso das psicopatias, doenças mentais cuja característica é o comportamento anti-social, ou o sadomasoquismo, que busca prazer no sofrimento alheio. Para Guimarães (2011), ao superar um modelo de paz como ordem e assumi-la num modelo dialógico-conflitivo, é necessário incluir e ressignificar conceitos, tais como agressividade - força vital de cada pessoa, necessária para superar os obstáculos e as limitações próprias do cotidiano-, conflito, luta e desobediência, sabendo-se que “agressividade, portanto, não se opõe à paz; ao contrário, é ela necessária, como expressão da vontade da potência de operar a paz. Nesse sentido, o oposto da agressividade seria a passividade, a resignação, o conformismo”. (2011, p. 197). Assim sendo, o desenvolvimento de uma educação para a paz dependerá da resposta que damos aos conflitos. Desafios éticos num contexto hipermoderno A hipermodernidade não se define como uma nova era que suplantou ou sepultou a modernidade. Pelo contrário, é um tempo de transição, de busca e de incertezas, de problemas e interrogações, muito mais do que respostas. Estamos vivendo um novo tempo no qual emergem situações novas, um clima diferente de vida e de pensamento. Vivemos um novo tempo com características peculiares: um sentimento de liberação em relação aos grandes discursos políticos de cunho messiânico, uma espécie de “fim das (O termo hipermodernidade, cunhado por Gilles Lipovetsky (2005), deve ser diferenciado do conceito de pósmodernidade. Ele defende que os princípios constitutivos da modernidade – racionalidade técnica, economia de mercado, democratização do espaço público e extensão da lógica individualista – não foram rompidos, mas estão sim radicalizados.) ideologias”, o surgimento de uma nova cultura hedonista, o culto excessivo e paranóico ao “corpo perfeito”, a amplitude e a rapidez das comunicações e das relações intersubjetivas, a liberação em relação aos costumes, inclusive no que diz respeito à vida sexual – a revolução sexual que afetou toda uma geração não tem mais nenhum sentido para as novas gerações porque elas foram criadas nesse contexto, o que não retira delas, porém, o medo e ansiedade diante das diferentes motivações e incertezas que as cercam. Uma realidade percebida numa visão “pornográfica” na qual tudo é mostrado, tudo é visível, tudo está e pode ser visto e avaliado extrema e constantemente em milhões de páginas publicadas na internet e nas redes sociais informatizadas e atualizadas diariamente. Todo esse contexto surge como uma saída de um grande ciclo histórico dominado pela ideia de futuro, em nome do novo. O agir humano, que girava em torno de grandes perspectivas históricas – revolução, luta de classes, nacionalismos –, está destruído pela ausência de um contramodelo ao que está posto. Hoje, não há outro modelo que não a democracia ou o mercado globalizado. As críticas aos limites dessa hipermodernidade existem, porém não vão à sua radicalidade.
 A modernidade radicalizou-se a uma velocidade superior. Tudo hoje parece ser levado ao excesso, ao “hiper”: hipermercados, hipertexto, hiperterrorismo, hipercapitalismo, hiperclasses, etc. Milhões de marcas e relações interpessoais vão sendo produzidas e substituídas por objetos e modelos novos, que o mercado torna obsoletos em curto prazo, alimentando o ritmo perpétuo de produção, venda, consumo e descartabilidade. Por essa característica da sociedade hipermoderna – sociedade de consumo ou sistema de objetos, cuja velocidade, transitoriedade e descartabilidade são os vestígios mais acentuados – tudo e todos ficam como que obcecados e ávidos pelo novo, perdidos em ambigüidades e em discursos desprovidos de sentido. Estamos numa nova era da modernidade que institui o hiperindividualismo: se antes o individualismo era limitado pelas ideologias, pelas diferenças sexuais, pelo papel da Igreja, pelo papel do Estado na economia, hoje, na sociedade hipermoderna de consumo, esses limites foram abolidos tornando os indivíduos cada vez mais senhores de sua própria existência. 3 Termo que indica tanto a procura indiscriminada do prazer quanto a doutrina filosófica que considera o prazer como único bem possível, portanto como fundamento moral. O prazer é o princípio e o fim da vida feliz, vinculado-a à posse de bens materiais. 4 Entenda-se por este conceito uma análise que remeta aos princípios ou às primeiras origens do termo ou do fenômeno a ser estudado. 7 Verifica-se, na atualidade, uma visão estritamente antropocêntrica criada especialmente pelo mercado que não se preocupa com a ética, com a justiça e, por isso, pouco ou nada lhe interessa a paz. Isso resulta numa espécie de crise de utopias, de projetos de libertação e democracia, em populações excluídas, desencantamentos, destruição dos ecossistemas, individualismo, falta de sentido para a vida, desencadeando uma escalada de violência, que, muitas vezes, é “naturalizada” nos pensamentos, discursos e ações de diversas pessoas. Essa violência passa a ser entendida, ao menos por uma parte da sociedade, como o “único” caminho para a conquista de espaço ou de algo por ela desejado. Assim sendo, o ser humano torna-se vítima daquilo que ele mesmo produziu: uma cultura de violência, uma cultura de guerra. As sofisticações tecnológicas colocam-nos paradoxos e experiências jamais vividas. Nunca as pessoas estiveram tão próximas e, ao mesmo tempo, tão distantes. O indivíduo quer ser só, sempre e cada vez mais só, ao mesmo tempo em que não suporta a si mesmo estando só. O tempo e o espaço se comprimiram e a diminuição das distâncias nestas dimensões básicas da condição humana provocou uma aceleração sem limites. O processo de constituição da subjetividade exige tempo e a cultura contemporânea manifesta-se imediatista, o privado torna-se público e as relações intersubjetivas descartáveis. Nossa sociedade está obcecada e desejosa pelo novo, perdida em ambiguidades e em discursos desprovidos de sentido. Neste contexto, busca-se, desesperadamente, algo para dar alívio à existência. Esta experiência de relatividade das verdades, do conhecimento e das culturas atingiu também o conjunto de normas e valores que orientam a vida das pessoas. 5 Num contexto social em que tudo é relativo, também assim o são os valores. Tudo vale, e se tudo vale, nada vale. A relativização dos valores, por sua vez, vem causando enormes estragos na convivência humana. Afinal, estamos vivendo uma fase de descalabro ético, um fim da história e fim da ética, ou uma fase de desconstrução de um moralismo de submissão, de sacrifício, de condenação do prazer, a partir de um processo construtivo autônomo e livre? Um cuidado que devemos ter é com a relativação dos valores humanos, a propagação cada vez maior da intolerância, do desrespeito, da violência e da insociabilidade entre os membros das instituições sociais. 5 Entendemos por valores, ou princípios, aquelas ideias e conceitos que servem como referenciais ideais que norteiam atitudes, sentimentos, raciocínios, entendimentos e decisões dos seres humanos. Permeando nossa vida individual e coletiva, podemos identificá-los, inclusive no âmbito religioso, em diferentes épocas e culturas, e assumem ares de verdades universais e atemporais, embora atualizados conforme as circunstâncias de cada época, local, cultura e povo. 8 Ao olharmos as ações do ser humano na atualidade constatamos que, quanto maior é a sua sensação de impotência diante das questões que se apresentam no cotidiano, maior é a sua tendência para o fechamento, seja individual ou em um bunker de indiferença, ao abrigo das próprias paixões e das dos outros, sectários e fanatizados. Os indivíduos e grupos com tais sensações possuem geralmente uma identidade frágil, por isso necessitam de algo externo para se afirmarem socialmente. Essa pressão externa pode se expressar nos indivíduos e nos grupos de múltiplas maneiras: por intermédio do uso da força física, dos bens materiais, do consumo, de títulos, de cargos, de armas e de drogas. Esses aspectos atingem a todos, mas percebe-se que com especial atenção a maioria dos jovens, os quais se tornam vítimas e agentes desses conflitos. Estas são algumas das formas a partir das quais indivíduos e grupos, extremamente frágeis na sua identidade, potencializam-se e, com isso, sentem-se onipotentes em relação aos outros e à sociedade e, consequentemente, recorrem à violência6 no intuito de se impor e “marcar presença”. Esses indivíduos e grupos oscilam entre a sensação de impotência e a de onipotência. As duas dimensões revelam que o ser humano, para ser reconhecido, necessita de algo externo, como se a identidade fosse um adesivo que se pudesse agregar ao corpo sem necessariamente possuir uma estrutura de personalidade. Não podemos cair num discurso alarmista e simplesmente sectário. Os conflitos juvenis sempre existiram e sempre vão existir. São momentos de confrontos, dúvidas, transformações e amadurecimento. Franklin, em seu artigo “Direitos Humanos na educação: superar os desafios”, publicado no livro Filosofia, ética e educação, ao defender a necessidade de um verdadeiro espírito crítico e emancipatório na educação através da Filosofia na escola – norteadora de um pensamento educacional comprometido com a discussão e promoção dos direitos humanos - declara que Precisamos proporcionar ao jovem a possibilidade de construção de seu caráter a partir de múltiplas escolhas, bem como da responsabilidade por todas essas escolhas. Que elas não sejam apenas revolucionárias porque é a idade das contestações, que elas não sejam intimidatórias porque é a idade dos desafios. Na verdade, proporcionar uma vivência autêntica é proporcionar uma possibilidade de viver a liberdade plenamente. (2011, p. 390) 6 Neste recorrer à violência podemos refletir: por que agimos de forma violenta? Por que somos, em princípio, contra a violência e, em certas ocasiões, a praticamos? Em que situações a violência pode ser praticada? Podem existir uma fundamentação racional e uma justificação moral da violência? Entretanto, devemos analisar a manifestação da violência além dos seus aspectos físicos: a violência da neutralidade, da calma, da indiferença, do silêncio, covardia, do egoísmo, etc. 9 Diante desse contexto hipermoderno, quais os desafios educacionais? A escola tem a obrigação de garantir o direito de o jovem ter acesso aos conhecimentos das diversas áreas, em especial ao filosófico, proporcionando-lhe acesso, comunicação e vivência de valores éticos e morais pertinentes a toda a humanidade e a conceitos como tolerância, respeito às múltiplas diferenças, dignidade humana, etc. O ser humano, diferente dos outros animais, nasce indeterminado, se constitui como pessoa no relacionamento com os outros. É resultado das relações e correlações que estabelece e que efetivamente segue concretizando em seu cotidiano. Sem relações, não é possível construir a identidade humana, pois sozinho não tem como desenvolver sua personalidade. Nestas relações é que percebemos que sermos diferentes, nos mais variados aspectos, é parte constitutiva do ser humano. O reconhecimento de que a espécie humana não apenas se encontra imersa num mundo repleto de diversidade, como ela própria, embora sendo única, é extremamente diversa, física e culturalmente falando, é um aspecto fundamental para a consolidação de uma cultura de paz. Nesta diversidade em que estamos inseridos, na qual todos sofremos as mais diversas influências, Franklin vai defender que “se podemos ser diferentes, se podemos optar por essa ou por aquela escolha, temos algo em comum, a saber: a liberdade” (2011, p. 392-393). As discussões filosóficas devem e podem, a partir de análises consistentes e significativas, atingir jovens e adultos em sua vivência escolar e além dela; eles poderão perceber que, através dela (a liberdade), somos iguais e, apesar de sofrermos determinações diversas, ainda somos livres para escolher e deliberar, sendo a liberdade determinante para a afirmação de que somos seres humanos, ou seja, perceber que não há humanidade sem liberdade assumida com responsabilidade, desde ao relacionamento com o colega ao lado até os posicionamentos mais globais. O educador Beust ao defender a importância dos valores na educação, afirma que tanto os valores humanos quanto os valores desumanos são todos humanos. Somos capazes tanto de amar quanto de odiar, tanto de praticar atos justos quanto injustos, tanto de promover a liberdade quanto a opressão. Diz ser fundamental o resgate e a afirmação dos valores humanos na atualidade, para que [...] sejamos guiados, a priori, por dois grandes princípios: a atitude dialógica e a unidade na diversidade. A atitude dialógica nos coloca num permanente diálogo com o outro, conosco mesmos, com o real, com o ideal, com a vida. Esse diálogo precisa estar baseado num profundo respeito pela diversidade humana. Mas também precisa 10 estar alicerçado numa igualmente profunda certeza da unidade fundamental da humanidade (2005, p. 15-16) Outro aspecto a ser analisado é a carência de limites ou o seu excesso fazendo com que surjam, no indivíduo, insegurança e perda de um marco de referência. Precisamos de mais princípios e menos regras. Os princípios são os pilares de uma sociedade. As regras, as normas, as leis devem estar a serviço dos princípios, e não o contrário, pois as regras sem princípios geram violência. Nunca tivemos tantas regras como atualmente. Contudo, a falta de limites, a indisciplina, a agressividade e a violência estão mais intensas. Tudo o que fica reprimido, em algum momento explode. A falta de limites faz com que essas pessoas se revelem inaptas para lidar com as frustrações naturais da vida. Elas têm dificuldades para se relacionar em ambientes marcados por hierarquias, como ambientes familiares, sociais, de trabalho e, em muitos casos, não conseguem sequer se emancipar, tanto do ponto de vista emocional quanto financeiro. As pessoas se satisfazem em enfrentar o próprio medo, não com ações transformadoras e compromissos éticos de cidadania, mas com uma mera compra de entretenimento, uma fuga para um imobilismo e conformismo, uma valorização do passado como recuo ante a insegurança e a incerteza sobre o que deveriam enfrentar amanhã. Quando esse amanhã não nos oferece a segurança que precisamos para sobreviver, acaba-se recorrendo ao passado. Este retorno ao passado é paradoxal. Estamos numa época em que não se crê mais na existência de um único e categórico sentido, mas sim na construção permanente de sentidos múltiplos, provisórios, individuais e grupais. Somos desafiados e convidados a sermos artistas e artífices de nossa própria existência. Em contrapartida, isso traz o aumento da responsabilidade individual, visto que cada um é co-autor do estatuto moral ao qual adere. Culturas de paz A cultura da paz precisa ser estimulada. O desejo de paz está em cada um de nós. Às vezes escolhe-se o caminho errado: confinamento, isolamento, não querer se envolver para não se machucar, indiferença, fechar os ouvidos e os olhos. Paz é a relação com o outro, com a natureza, com a história, com as pessoas. É uma construção, e nunca uma omissão. É engajamento e envolvimento com a vida que pulsa em nosso planeta, em todos os aspectos. Esse conceito, em permanente construção, está intimamente ligado à prevenção e à resolução não-violenta de conflitos. 11 Por isso, a humanidade admira os que se engajam na história de construção da paz entre povos e nações: Gandhi, Mandela, Hélder Câmara, Betinho... São pessoas que tiveram a capacidade e a coragem de viver intensa e coerentemente valores verdadeiros numa dimensão política que sempre identificamos com o ideal de paz como ação e como desafio ético. Muitos, também, são os documentos de referência sobre uma cultura de paz cuja relevância reside no fato de serem frutos da construção coletiva e de terem se tornado compromissos assinados pela maioria absoluta dos países. O Manifesto 2000 por uma Cultura de Paz e Não-Violência, produzido por um grupo de laureados pelo Prêmio Nobel da Paz e assinado por milhões de pessoas no mundo, aponta para seis princípios fundamentais para a prática diária de uma cultura de paz: respeitar a vida, rejeitar a violência, ser generoso, ouvir para compreender, preservar o planeta e redescobrir a solidariedade. Ao salientar este esforço realizado pela Organização das Nações Unidas, Guimarães relembra que este Manifesto incorpora à noção de paz elementos tais como: respeito à vida; prática da não violência ativa; partilha do tempo e dos recursos materiais; defesa da liberdade de expressão e diversidade cultural; promoção de um consumo responsável e um modelo de desenvolvimento que tenha em conta a importância de todas as formas de vida e o equilíbrio dos recursos naturais do planeta; solidariedade, participação, igualdade de gênero e respeito aos princípios democráticos. (2011, p. 189) Cultura de paz é uma cultura de não-violência, que se constrói reatando a ligação do ser humano com o universo, com a natureza e com o próximo. É um equívoco compreendermos a não-violência como uma perspectiva passiva, de omissão ou não-ação. Ao contrário, para atingirmos um patamar não-violento, temos que nos exigir um altíssimo grau de exercício inteligente, criativo, competente e amoroso a fim de encontrarmos soluções nãoviolentas para os desafios que a vida nos apresenta. Essa atitude não-violenta exige uma constante vigilância para identificar as manifestações de violência no próprio comportamento procurando eliminar as raízes que nos fazem responder violentamente diante do conflito. Essas respostas não violentas estão num imenso rol de motivações – religiosas, filosóficas, políticas - possibilidades, estratégias e táticas mais diversas (marchas, greves, jejuns,...) que, se constatarmos as diversas articulações regionais e internacionais e o trabalho em rede já existente, irá trazer para a educação para a paz um imenso desafio: superar a falta de informações, ultrapassando os limites da sala de aula e da escola, articulando-se com toda a comunidade cidadã. A cultura de paz exige uma pedagogia da convivência e vice-versa. Não é possível construir uma cultura de paz sem os procedimentos e valores de uma pedagogia para a 12 convivência. Nem é possível desenvolver tal pedagogia sem os valores, objetivos e conceitos da cultura de paz. As duas dimensões se fundam nos conceitos de dignidade, igualdade, justiça social e liberdade que caracterizam os direitos humanos. Ela está baseada na tolerância, na solidariedade, no compartilhamento cotidiano, no respeito a todos os direitos individuais e na busca de soluções criativas para os problemas, por meio do diálogo, da negociação e da mediação. Isso não significa, de forma alguma, a eliminação dos conflitos, uma vez que estes são inerentes ao ser humano e, muitas vezes, salutares se conseguimos dispensar os critérios e a necessidade de dominação do outro. Tratase de um processo de mudança de consciência de cada ser humano para a estruturação de uma cidadania planetária baseada na responsabilidade universal. Estimulando o que há de melhor no outro para tê-lo como parceiro, a cultura da paz considera a adesão aos princípios de liberdade, justiça, democracia, tolerância – entendida não só como um dever de ordem ética, mas igualmente como uma necessidade política e jurídica, uma virtude que torna a paz possível e contribui para substituir uma cultura de guerra por uma cultura de paz. Além disso, o respeito pela diversidade cultural, o que não significa aceitar todas as ideias, crenças e comportamentos como se fossem iguais e fossem promotoras de todos os valores indistintamente. Devemos escolher, entretanto, os valores que favorecem a vida em comum de forma pacífica e o respeito pelos direitos individuais e coletivos – e o entendimento em todos os níveis da sociedade e nações. É importante ressaltar, também, que na construção de uma cultura de paz, haja o respeito e o fomento ao direito de todas as pessoas à liberdade de expressão, opinião e informação, assim como a promoção da resolução pacífica dos conflitos, 7 do respeito e entendimento mútuos e da cooperação internacional8 . Em fins de conclusão... Construir uma cultura de paz, sem dúvida, é um clamor urgente e exigirá mudanças significativas, principalmente por parte dos que consideram suas verdades absolutas, únicas e intocáveis. Só em torno de um projeto comum para a humanidade, que passa necessariamente 7 Para entender o processo de resolução de conflitos é necessário ter presente a ideia de unidade na diversidade como um novo paradigma de organização social: que é possível resolver conflitos seculares entre os mais diferentes indivíduos e povos, que esse processo é um novo método de mediação e de negociação a ser assumido e exercitado nos âmbitos pessoal, internacional, político, etc. 8 Mesmo sabendo que esse fator é importante, a paz não será alcançada apenas através de conferências e tratados internacionais, ela não é meramente um conjunto de situações agradáveis ou ausência de pressões externas 13 pela educação, será possível articular as diferenças e avançar no diálogo e na construção da paz. Seria um equívoco jogar nos ombros da educação toda a responsabilidade pela construção de uma cultura de paz. Os educadores, quando capacitados, têm um papel fundamental na educação para a paz. Diante da complexidade das relações entre o sistema educacional e a sociedade, entre a reflexão e ação educativas, eles têm o privilégio e a responsabilidade de gerenciar as características das culturas locais e sua abertura a valores e horizontes universais. Somente assim podemos edificar bases sólidas - tendo presente os quatro os pilares de sustentação de uma cultura de paz: democracia, direitos humanos, desenvolvimento e desarmamento - para a construção de um novo paradigma das relações humanas e assim minimizar a exclusão social, a competição, o individualismo, em vista da humanização e da socialização. Nesta caminhada por uma educação para a cidadania e uma cultura de paz, o educador, como sujeito da práxis pedagógica, tem um papel importantíssimo. Uma de suas tarefas é fazer com que a educação seja crítica, permitindo situar e compreender os problemas no todo da estrutura social. Deve assumir seu papel de agente de mudanças, de fomentador de lideranças e deve firmar cada vez mais uma competência técnica, científica e pedagógica. Frente a essa responsabilidade docente, precisamos exigir uma melhor formação dos educadores – tanto no nível de curso de magistério quanto em cursos universitários. Essa formação do educador é um processo complexo e difícil. Acreditamos não ser possível protelar as soluções para esta problemática. Trata-se de uma mobilização da qual ninguém pode ser excluído ou dispensado.

Referências bibliográficas
BEUST, Luís Henrique. O valor dos valores na educação. In: Revista Diálogo, ano X, nº 37, fevereiro de 2005, pág. 14 a 18.
ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
CESCON, E.; NODARI, P.C. (org) Filosofia, ética e educação: por uma cultura da paz. São Paulo: Paulinas, 2011. – (Coleção philosophica)
GUIMARÃES, Marcelo Rezende. Educação para a paz: sentidos e dilemas. 2ª Ed. Caxias do Sul, RS: Educs, 2011. 364 p. 14
FRANKLIN, Karen. Direitos humanos na educação: superar os desafios. In: CESCON, E.; NODARI, P.C. (org) Filosofia, ética e educação: por uma cultura da paz. São Paulo: Paulinas, 2011. – (Coleção philosophica). p. 373-400.
MANIFESTO 2000 por uma Cultura de Paz e Não-Violência

Fonte: http://www.portalanpedsul.com.br/admin/uploads/2012/Filosofia_da_Educacao/Trabalho/01_57_56_272-7499-1-PB.pdf

EDUCAÇÃO PARA PAZ NA ESCOLA

EDUCAÇÃO PARA PAZ NA ESCOLA

Por Nei Alberto Salles Filho 
Ccoordenador do Núcleo de Educação para a Paz da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
Escolas públicas e privadas têm, entre suas demandas atuais, a questão das múltiplas formas de violência. Desde a violência direta das incivilidades (falta de respeito, grosseria) até a violência estrutural (desigualdades sociais) que perpassa as relações humanas, interpessoais e intergrupais, o cotidiano das convivências Escolares pede novas formas de intervenção.
Apontaremos algumas reflexões da Educação para a paz nas Escolas. Antes, é importante reafirmar que a Educação não se limita mais à mera instrução. No século 21, a única Educação possível é aquela que entende o Aluno como ser humano, com suas possibilidades, limites, diferentes realidades e suas contradições.
Nesse contexto, crescem os projetos relacionados à Educação para a paz nas instituições Escolares. Tais projetos têm alguns pontos a destacar. Primeiro, são considerados como um “tema transversal”, ou seja, não são fragmentados em uma “aula” de paz. É um movimento da Escola, pensado desde a equipe de gestão, explicitado no projeto pedagógico, declarando que a Escola, dentro da comunidade, assume o desafio do enfrentamento às violências, valorizando as convivências, entendendo que as relações humanas são essenciais para o aprendizado curricular e dos elementos da Educação integral, como cidadania crítica, ética, solidariedade e respeito.
O segundo ponto dos projetos de Educação para a paz é o foco em uma pedagogia dos valores humanos. As relações não violentas dependem de valores de convivência sólidos, claros e construídos no coletivo. Insistimos que não basta falar de valores, é necessário vivê-los no cotidiano da Escola. Valores universais precisam ser refletidos e dialogados no dia a dia e não tomados como “cartilha”. Construir ou reconstruir valores é fundamental.
Aliás, o diálogo é o elemento chave que mostra a terceira dimensão da Educação para a paz nas Escolas, que é o entendimento pedagógico do conflito. Se conflitos são inerentes às relações humanas, entendidos como espaço onde pessoas ou grupos têm perspectivas diferentes, podemos dizer que os conflitos são traços marcantes das instituições educacionais, devido à diversidade da sociedade. Em Educação, os conflitos precisam ser pensados como oportunidades de crescimento. Assim, práticas restaurativas e mediação de conflitos passam a figurar na agenda educacional atual.
Igualmente importante, o quarto ponto é entender que projetos de Educação para a paz não podem ser pensados apenas como o contrário às violências maiores na Escola. É um erro supor a Educação para a paz como antídoto milagroso para a violência, assim como outro erro é acreditar que desenhar pombinhas brancas e cantar belas músicas algumas vezes ao ano terão algum efeito. Paz não é o apenas o contrário de guerra ou de violência agressiva. Paz é o fortalecimento de situações positivas e saudáveis de convivência, expressa por uma civilização educada, crítica e consciente, que aos poucos substitui situações não desejadas por valores e atitudes desejadas, ou seja, mais respeitosas, solidárias, responsáveis – em uma palavra, humanas.

Se a humanidade foi tão fecunda para aprender tantas formas de violência, podemos aprender igualmente a não violência. As instituições educacionais são muito importantes nesse caminho!
Fonte: http://revistapontocom.org.br/artigos/educacao-para-paz-na-escola

O que é paz?

O que é paz?

O vocábulo paz possui conotações diversas na língua portuguesa, entre elas, a "de um estado de um país que não está em guerra, união, concórdia nas famílias ou tranquilidade da alma."1 Existem na literatura tantas definições de paz quanto às disciplinas que a estudam (Columa, 2001). Independentemente do seu significado referencial, paz é a condição de vida que almejamos em todas as dimensões da existência humana, incluindo a política, social, psicológica e pessoal.
Paz tem uma conotação positiva e negativa, sendo que a primeira pressupõe certos padrões de justiça, harmonia com a natureza, cidadania e participação em formas democráticas de governo. Na Paz negativa existe a priori algum tipo de conflito a ser combatido. Daí a dicotomia Paz Positiva, que constrói a paz como parte do currículo escolar regular, e Paz Negativa, cujo objetivo é a contenção e prevenção de diferentes manifestações da violência.
A ausência de guerras ou a não-violência, por sua vez, não necessariamente pressupõe a existência da Paz. Esta envolve mais que a não-violência. A paz significa seres humanos trabalhando juntos para resolver conflitos; ela respeita padrões de justiça, satisfaz necessidades básicas do homem e honra os direitos humanos (Morrison & Harris, 2003).
Em contrapartida, o mundo de hoje, longe de propiciar a paz que tanto idealizamos, está cada vez mais conturbado e violento. E a mídia e as fontes de entretenimento em geral agravam essa situação reportando incessantemente notícias que vão desde a destruição do planeta à destruição de vidas por guerras, pela violência urbana e as mais diversas formas de opressão.
Hannah Arendt, filósofa e prolífera escritora sobre direitos humanos e o fenômeno da violência, constatou que "muito da presente glorificação da violência é causada pela severa frustração da faculdade da ação no mundo moderno" (1994, 60). Pode-se claramente deduzir do pensamento de Arendt sobre a importância do agir e reagir perante tal fenômeno que certamente se aplica amplamente ao tema em questão.
A cultura da violência
No campo da educação, há muito que discorrer sobre o tema. Refletindo o mundo lá fora, a escola atual enfrenta conflitos e enormes desafios. A cultura da violência, normalmente associada à exclusão social, altos índices de desemprego e falta de oportunidades de ascensão, enfraquece os alicerces da escola e desnorteia seu rumo.
Isto tem gerado uma crise de identidade da escola pública, para empregar a frase de Nascimento, pois ela tem sido incapaz de promover, a longo prazo, uma melhor qualidade de vida para os alunos, tradicional missão da escola. Como consequência, "pais e educadores/as têm manifestado uma grande preocupação com as frequentes expressões da violência no interior das escolas, tais como: a interferência e a presença do narcotráfico no cotidiano escolar, a depredação dos prédios e materiais escolares, as brigas e agressões entre alunos/as e entre estes/as e os adultos que trabalham nas escolas e a violência familiar, que apesar de estar localizada, quase sempre, fora dos muros escolares, interfere significativamente no trabalho que aí se realiza" (2000, 48 ).
Uma elaboração sobre as causas da deteriorização do ensino público estaria fora do escopo desta seção nem caberia atribuí-la exclusivamente à violência escolar. Talvez esta seja a causa, não consequência. No entanto, pode-se concluir com um grau de certeza que a violência é um reflexo da crise de valores (morais, éticos, humanísticos) em que a violência se insere e que o Brasil e o mundo em geral atravessam.
Educar para a paz
No entanto, o contexto sócio-político em que se dá a Educação Para Paz (EPP) é fator determinante para a realização de metas e objetivos (Solomom & Nevo, 2002). Cada país implementa programas e trata do assunto de acordo com sua própria visão cultural. Consequentemente, o ensino da EPP difere quanto à ideologia, ênfase, conteúdo, práticas e objetivos.
Na Austrália, por exemplo, a EPP enfrenta o desafio do etnocentrismo enquanto tenta, ao mesmo tempo, promover o desarmamento nuclear e a diversidade cultural. No Japão, enfatiza-se o tipo de responsabilidade pelos atos de violência cometidos no passado e o militarismo assim como o desarmamento nuclear. Nos Estados Unidos, interessa-se mais pelo combate ao preconceito racial, à violência e questões sobre o meio-ambiente. Em países em desenvolvimento, a maior preocupação é com o que se denomina "violência estrutural", ou seja, a desigualdade sócio-econômica e injustiça social.
Além disso, a EPP pode abordar a violência de três formas distintas (Morrison & Harris, 2003): Manter a Paz, Fazer a Paz e Construir a Paz. Para Manter a Paz, educadores utilizam atividades de prevenção da violência a fim de criar nas escolas um clima organizado de aprendizagem que se assemelha a políticas governamentais que investem recursos astronômicos em defesa e prisões para garantir segurança a seus cidadãos. Para Fazer a Paz, a resolução de conflitos se tornou uma das reformas escolares mais empregadas nas últimas décadas; os alunos aprendem técnicas de resolução de disputa na tentativa de resolverem construtivamente seus próprios conflitos. Para Construir a Paz, observa-se ainda uma escassez de métodos, por esta ser menos divulgada que as outras. Nesta abordagem, a paz é construída, ou seja, é cultivada desde a infância escolar por meio de um incentivo de atitudes positivas e implementação de valores promovendo um mundo mais justo e igual. Este é o programa encontrado nas denominadas 'regiões de relativa tranquilidade'.
A EPP não deve ser rígida nem padronizada, concluiu Reardon (1997) após analisar mais de uma centena de currículos nesta área. Segundo a pesquisadora, a EPP atua, respectivamente, nos domínios da cognição, do comportamento e da atitude nas oito seguintes áreas: cooperação, resolução de conflito, não-violência, direitos humanos, justiça social, recursos mundiais, meioambiente global, e compreensão multicultural.
Os programas em EPP, no entanto, não estão isentos de problemas. A prática ainda se vê defasada em relação à teoria; há escassez de avaliação dos programas (somente 30% dos programas mundiais em EPP são avaliados); e a aplicação de um currículo em EPP nem sempre se transfere para outros locais (Solomom & Nevo, 2002).
A partir destas conclusões e das idéias acima introduzidas, em seguida o tema será explorado do ponto de vista da aplicação destas idéias na realidade educacional no Brasil como em qualquer país onde a Educação para a Paz, em ambos os sentidos de Construir e Fazer a Paz, se faça urgente e vital.
Sugestões práticas
Primeiramente, a Educação para a Paz deve ser embasada em uma compreensão significativa de conceitos fundamentais tais como os fatores que causam a violência, o real significado da não-violência e os métodos pedagógicos disponíveis para alcançá-la ou mantê-la.
Quanto aos métodos de EPP, há uma vastidão de propostas de metodologias e currículos que traduzem os anseios de educadores e especialistas nesta área. Normalmente avocam o uso de conhecidas técnicas como a cooperação, a colaboração, o diálogo, a criatividade, e o altruísmo. Algumas metodologias são mais gerais e abrangentes enquanto outras, mais específicas e localizadas. Embora não sejam propriamente revolucionárias em termos de concepção, elas podem tornar-se instrumentos úteis e eficazes.
As recomendações serão listadas a seguir, constituindo uma pequena amostra das mais relevantes idéias extraídas de diversos autores. Independente do objetivo para que possa ser utilizado, o conteúdo das recomendações oferece mais uma forma de reflexão sobre esse tema. Elas tendem a ser específicas ou abrangentes, aplicando-se, respectivamente, ao âmbito escolar e educadores ou à sociedade e ao governo. As dez recomendações que se seguem, porém se aplicam somente ao âmbito escolar, ainda de que forma bastante ampla.
Finalmente é importante ressaltar, conforme anteriormente mencionado, a importância da avaliação dos programas de EPP e de sua implementação direcionada às necessidades locais de cada região ou de cada país, tendo em mente que trabalhar para a construção permanente da paz é sempre o ideal de todos nós.
Recomendações finais
1. Promover uma educação que envolva valores humanos e sociais, resolução de conflitos através do diálogo e a construção da justiça (Nascimento, 2000).
2. Desenvolver uma cultura dos direitos humanos através do reconhecimento da dignidade de cada pessoa (Candau,2005).
3. Redefinir o papel da educação, onde predomine a forma da "violência estrutural" (Nascimento, 2000).
4. Dar voz aos estudantes e desenvolver formas participativas de construção de normas (Nascimento, 2000).
5. Lutar pela manutenção da paz ressaltando a valorização da ética, da criatividade, das experiências e da reflexão constante sobre nossas ações (Beauclair, 2007).
6. Identificar recursos e material de apoio a serem utilizados num curso, currículo ou programa em EPP, quer seja ele informal ou formal (Morrison & Harris, 2003).
7. Refletir sobre o impacto de nossas ações sobre o meio físico e psicológico da escola e do ambiente à nossa volta (Beauclair, 2007).
8. Estimular a aquisição de competências, as quais os alunos poderão utilizar para desenvolverem estratégias não-violentas para toda a vida (Columa, 2001).
9. Focar na formação de um ser social com o potencial de falar e se comunicar, como principal estratégia para a resolução de conflitos (Nascimento, 2000).
10. Criar sentido para a construção de um novo tempo num mundo em complexa interdependência (Beauclair, 2007).

Referências
Arendt, H. (1994). Sobre a violência. Rio de Janeiro: Relume - Dumará.
Beauclair, J. (2007). No tempo do possível: notas sobre educação para a paz. Em Revista Iberoamericana de Educación,42(2), 1-6. Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura (OEI),.
Columa, E. (2001). Educação para a paz. Revista Educação e Ensino-USF, 6(2), 37-41.
Johnson, M. L. (1998). Trends in peace education. ERIC Database.
Morrison, M., & Harris, L. (2003). Peace education. (2ª ed.). Jefferson, Carolina do Norte: McFarland & Company.
Nascimento, M. (2000). Por uma educação pela paz e pela não violência. Revista Novamerica, (48).
Reardon, B. A. (1997). Human rights as education for peace. Em G. Andreopoulos & R. P. Claude (Eds.), Human Rights Education for the Twenty-First Century (21-34). Filadelfia: University of Pennsylvania Press.
Solomom, G., & Nevo, B. (2002). Peace education: the concept, principles, and practices around the world. Nova Yorque: Lawrence Erlbaum Associates.


Sobre a autora:
* Elizabeth dos Santos Columa (ecoluma@gmail.com) - educadora bilíngüe e consultora para empresas brasileiras e multinacionais nas áreas de competência intercultural, comunicação comercial e resolução de conflitos.
1 Moderno Dicionário da Língua Portuguesa Michaelis, Editora Melhoramentos, São Paulo, 1998.

Fonte: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572007000200023