sexta-feira, 13 de maio de 2016

Marlúcia Rodrigues Coutinho, Mediadora Judicial, membro da Comissão de Mediação de Conflito e Convivência Pacífica da Secretaria Municipal de Educação de Goiânia e as Mediadoras Judiciais do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, Iêda Machado Perna, Vanessa Linhas Guimarães e Thaynara Teleste e Souza são as instrutoras do curso de Mediação Judicial para os Oficiais de Justiça na Comarca de Goiânia. 


Notícias do TJGO

Oficiais de Justiça da comarca de Goiânia participam de curso de Mediação Judicial

Desde a última segunda-feira (9), oficiais de justiça e servidores da comarca de Goiânia participam do curso de Mediação Judicial, promovido pela Escola Judicial do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (Ejug) e pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Soluções de Conflitos (Nupemec), com duração de 40 horas. Até o dia 20 de maio, os participantes receberão orientações sobre técnicas de mediação/conciliação . A realização do curso foi solicitada pelo diretor do Foro da comarca de Goiânia, Wilson da Silva Dias, e pela juíza Sirley Martins da Costa.
A quinta edição do Manual de Mediação Judicial, produzida pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), contendo 375 páginas e 12 técnicas de mediação/conciliação, serve como material didático aos participantes do curso. Por quatro horas diárias, durante dez dias, quatro instrutores repassam o conteúdo ao alunos. São eles: Marlúcia Rodrigues Coutinho, Iêda Machado Perna, Vanessa Linhas Guimarães e Thaynara Teleste e Souza. 
Participante do curso, o coordenador judiciário da Diretoria do Foro da comarca de Goiânia, Thiago Borges Dutra de Castro, avalia como importante a realização desses cursos para os oficiais de justiça, “porque eles podem se adequar ao novo Código de Processo Civil, além de obterem um avanço no trato com as partes”, justificou ele, que ainda acrescentou: “A mediação e conciliação têm início com o oficial de justiça”. 
Marco Aurélio Pereira Tavares, oficial de justiça da comarca de Goiânia, também fez uma avaliação positiva do curso. Para ele, as instrutoras têm passado bem o conteúdo e as técnicas aos participantes, “além de administrarem bem toda a condução das aulas”, acrescentou. Marco Aurélio lembra que as técnicas passadas pelas instrutoras têm sido de grande valia para os oficiais de justiça, “pois facilita no cumprimento de mandato e no momento da abordagem, fazendo com que tenhamos uma postura mediadora quando da citação”, informou. Ele ressalta que o maior objetivo, que é dar celeridade processual, será alcançado com essa nova postura. (Texto: Bruno Rocha – assessoria de imprensa da Diretoria do Foro da comarca de Goiânia/Fotos: Wagner Soares – Centro de Comunicação Social)

Fonte: ©2016 Portal do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás - (Texto: Bruno Rocha – assessoria de imprensa da Diretoria do Foro da comarca de Goiânia/Fotos: Wagner Soares – Centro de Comunicação Social)

CURSO CONFLITO NAS RELAÇÕES HUMANAS:o que cabe às Instituições Educacionais? MÓDULO IV

ATENÇÃO CURSISTAS, AO PRÓXIMO MÓDULO!!!

CURSO MEDIAÇÃO DE CONFLITO - MÓDULO IV

                      ATENÇÃO AO PRÓXIMO MÓDULO! 
                          AGUARDAMOS VOCÊS!!

segunda-feira, 25 de abril de 2016

Faça aqui sua inscrição - Curso e Iniciação Reiki Nível III



Faça aqui sua inscrição.

INSCRIÇÃO - Curso e Iniciação Reiki Nível II - Faça aqui sua inscrição.




  Faça aqui sua inscrição.

Curso Mediação de Conflito e Convivência Pacífica

                                       

Reiki nas Políticas Públicas

Reiki nas políticas públicas

Reiki nas políticas públicas

    A Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME), por meio da Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho dos Profissionais da Educação (GERSAU), Centro Municipal de Atenção ao Profissional da Educação (CEMAPE) e Política Articulada de Educação da Paz (EPAZ), é responsável pela tessitura da Política Intersetorial de Saúde e Segurança dos Profissionais da Educação desde 2011, ano em que foi instituído a EPAZ. O objetivo é prevenir os adoecimentos e outras formas de conflitos, assim como promover a saúde integral e a qualidade de vida dos profissionais da educação, por meio de Práticas Integrativas e Complementares  (PICs). O Reiki é uma delas.
    As primeiras experiências de aplicação do Reiki na Prefeitura de Goiânia foram na I e II Ação do Mutirão da Acolhida, voltadas aos moradores de rua e aos servidores públicos que estavam atuando na ação, em 2012. A repercussão foi positiva na época, pois os moradores de rua relataram que conseguiram relaxar, que os desconfortos e dores que estavam sentindo foram aliviadas. Outros conseguiram dormir na hora do atendimento de forma profunda. Os servidores públicos que tiveram a oportunidade de receber o Reiki também relataram bem-estar, alívio na tensão e um melhor gerenciamento do estresse diante da realidade que estavam acompanhando.
    Na SME, o Reiki e outras PICs foram ofertadas no Curso Tecendo a Educação em Direitos Humanos na Educação da Paz, em 2013, 2014, 2015 e 2016; no I, II, III e IV Seminário de Educação da Paz: estudos, pesquisas e vivências (2012, 2013, 2014 e 2015); na Ação Cuidando do Educador de Forma Intersetorial (2013, 2014 e 2015), entre outros momentos. Diante do interesse dos profissionais da educação pelo Reiki e por ser uma técnica terapêutica reconhecida pela ciência e amplamente divulgado em alguns hospitais, como por exemplo, no Hospital de Base de Brasília, Hospital Sírio-Libanês e o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, no Hospital Gonzaga Mota, regularizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), entre outros, no ano de 2014, 2015 e 2016 a SME abriu inscrições para o Curso e Iniciação em Reiki nível I, II e III e o Mestrado em Reiki neste último ano.
    Os relatos são muito significativos, como por exemplo, sensação de bem-estar, equilíbrio, harmonia, bom sono, redução ou fim da dor de cabeça e outras dores no corpo, melhores condições de gerenciar conflitos pessoais e no trabalho, aumento da criatividade, melhora e diminuição dos sintomas da depressão, ansiedade ou tristezas profundas. Mas o que é o Reiki? Quais são seus benefícios? Por que ele é importante nas políticas públicas?
    Primeiramente, para responder essas questões é preciso esclarecer que o Reiki não é uma religião, e também não tem preferências religiosas. Temos reikianos e reikianas, assim como mestres em Reiki de diferentes procedências religiosas e também sem religião, pois o Reiki não entra em contradição ou em conflito com as doutrinas e dogmas religiosos, seja do terapeuta ou da pessoa que o recebe.
    Em segundo lugar, o Reiki “não tem qualquer contraindicação e tem sido utilizado aliado à medicina tradicional com sucesso” (www.terapiareiki.com.br/artigos/reiki-e-a-medicina). Segundo Ricardo Monezi Julião de Oliveira, na sua Tese de Doutorado, defendida na Universidade Federal de São Paulo, em 2013, sobre “Efeitos da Prática do Reiki sobre Aspectos Psicofisiológicos e de Qualidade de Vida de Idosos com Sintomas de Estresse: estudo placebo e randomizado”, diz:
“O Reiki é uma técnica de imposição de mãos definida no Japão em meados do século XIX. A palavra Reiki é de origem japonesa e significa ‘Energia da força vital do universo’. Seus praticantes acreditam que através da imposição das mãos de um terapeuta Reiki, esta energia possa ser transmitida para o corpo de uma outra pessoa”. (MONEZI, 2013, p. 1).
    Em seus estudos Monezi menciona que “a imposição de mãos é um recurso terapêutico que tem sua utilização referida desde épocas anteriores a Cristo (…) Podemos aqui citar o Toque Terapêutico, o Jin Shin Jyutsu, Qi Yong, o Johrei e o Reiki (MONEZI, 2013, p. 20). Segundo MONEZI  (2013, p. 35) “A proposta do Reiki é de cuidar integralmente do paciente e não apenas da cura ou alívio dos sintomas decorrentes do processo de adoecimento (…) Um sistema integral de cuidado de baixo custo e risco”. Como resultados das pesquisas realizadas no doutorado, MONEZI  (2013, p. 71) menciona os benefícios do Reiki: “Redução dos níveis de estresse; redução dos níveis de ansiedade e depressão; redução da percepção de tensão muscular e elevação da percepção de bem-estar; elevação dos níveis de qualidade de vida referente aos domínios de aspectos espirituais, religião e crenças pessoais, físicos, psicológicos, além das facetas autonomia e intimidade; elevação da temperatura periférica da pele; e redução da tensão muscular do músculo frontal e conduta cianeto elétrica da pele”.
    Para finalizar, nas políticas públicas na SME, o Reiki atendeu aproximadamente de outubro/2015 a março/2016, 627 profissionais da educação nos eventos promovido pela Secretaria. O atendimento com o Reiki é gratuito, por adesão/voluntário, portanto nenhum profissional da educação é obrigado a receber o Reiki.  No CEMAPE, durante os últimos seis meses foram cerca de 1,4 mil profissionais da educação atendidos,com técnicas de Reiki e Estimulação Neural.
    Referente aos Cursos e Iniciações em Reiki ofertados pela SME em 2014, 14  profissionais fizeram os três níveis em Reiki; em 2015, foram iniciadas 71 no nível I, 50 no nível II e 42 no nível III. Em 2016, há 158 inscritos até o presente momento no Curso e Iniciação em Reiki nível I, 63 no nível II e 56 no nível III. No Mestrado em Reiki, foram 38 inscritos, e 14 já foram selecionados.
    A aplicação do Reiki nas políticas públicas pode promover a saúde integral e a qualidade de vida dos profissionais. Dessa forma, quem ganha é toda a comunidade educacional e familiares dos profissionais da educação. Convidamos você a conhecer o Reiki, participar dos cursos e possibilitar vivências com essa prática terapêutica não convencional.
Profª Draª Genivalda Araujo Cravo dos Santos
Doutora e Mestre em Ciências da Religião pela PUC Goiás; Gerente de Saúde e Segurança do Trabalho dos Profissionais da Educação/SME-GERSAU/CEMAPE/EPAZ; Mestra em Reiki Usui Tibetano e Karuna; Terapeuta Sistêmica, Quântica, Bioenergética, Vibracional, Reikiana – CRT  49644; Mediadora Judicial pelo CNJ/TJGO; Coordenadora da Comissão Intersetorial de Saúde e Segurança dos Profissionais da Educação da SME; Presidenta da Comissão de Mediação de Conflito e Convivência Pacífica da SME; compõe o Gabinete de Gestão Integrada de Goiânia – GGIM; Conselheira Global da URI pela Região da América Latina e Caribe.

ATENÇÃO! AO CURSO CONFLITO NAS RELAÇÕES HUMANAS, MÓDULO III

Aguardamos vocês!!!!!